Telefone:

+55 51 2109.1632

Localização:

Santa Cruz do Sul/RS

notícias

13 temporadas, uma história consolidada e a justa homenagem

13 temporadas, uma história consolidada e a justa homenagem

 

O último dia 17 foi de homenagens na sede da FGF - Federação Gaúcha de Futebol - em Porto Alegre, aos jogadores que marcaram história nos clubes do Rio Grande do Sul. O Avenida não poderia estar melhor representado do que com ele, o nosso canhoto mágico, Alexandre Camargo.
Há 13 anos no clube, hoje com 33 anos de idade, o eterno camisa 10 alviverde só não esteve no clube no ano de 2010, quando fez temporada em Portugal. Fora isso, são inúmeros jogos e marcos na história do clube. Uma história profissional construída lado a lado com a retomada do futebol nos Eucaliptos, movida por diversas emoções e quatro acessos até então, o mais recente neste ano.
Alexandre chegou à Federação sem saber muito do que se tratava, só que haveria uma homenagem e ele havia sido o escolhido para representar o Avenida, juntamente com outros 52 homenageados. "Quando iniciou a homenagem e percebi o que ia ser, fiquei num misto de surpresa e emoção, porque a calçada está na rampa de acesso da Federação. Logo na entrada tem Internacional e Grêmio, logo acima o Avenida com meu nome. É uma marca eterna, agora também fora dos gramados", comentou. Dentre as emoções da noite, esteve a percepção de ser um dos poucos jogadores que ainda atuam por seus clubes a estar recebendo a homenagem, "fiquei extremamente feliz de receber essa homenagem enquanto ainda estou vivo e atuando, porque vi vários nomes homenageados que não estão mais vivos e não tiveram a chance de ver e vivenciar o que vivi naquela noite. E atuando ainda pelo clube, fico muito mais motivado pra essa preparação que iniciou agora e fazer ainda mais história aqui".

Um elo que não se desfaz mais 
Ao iniciar sua 13ª temporada no clube, o canhoto diz ter consciência de que esse carinho foi conquistado aos poucos, mas que se solidificou de tal maneira e reciprocidade, que hoje não vê outra possibilidade, a não ser estar no Avenida. "Claro que demora para fazermos história em um clube, não é em uma temporada que vamos virar ídolo de uma torcida, por exemplo, e como toda torcida tem essa necessidade de uma referência no elenco, que seja identificada com todos, eu acabei me tornando isso. Até porque também tenho uma ligação muito forte com o presidente Jair e também a família Eich e isso sempre contribuiu para que eu quisesse ficar e fazer mais por aqui", destacou Alexandre.

"Eu nem sei jogar contra o Avenida"
Há muito tempo, Alexandre é questionado sobre o por quê de não sair do Avenida, ao que diz prontamente responder que nem sabe como seria jogar contra o clube que o acolheu. "Já tive muitas propostas para sair daqui e jogar o acesso ou a primeira divisão, mas acabei optando por ficar aqui. Isso se dá muito pelo carinho que recebo e tenho pelo clube, porque aqui eu de fato me sinto em casa. Jogar aqui e representar as cores verde e branco são uma honra para mim. Se tivesse em outra equipe e tivesse que jogar contra o Avenida, acho que ia pedir pra não jogar. Nunca parei pra pensar em entrar em campo contra o Avenida, acho que não aconteceria de ter que jogar contra quem por tanto tempo me acolheu", relatou.
Além de não ter o anseio de estar do lado oposto do gramado, os vários anos de convivência no clube, fizeram com que o meia também pegasse gosto pela rivalidade AveCruz. Quem esteve presente na comemoração do último acesso, presenciou o atleta empolgado com seu galo de borracha na mão, caindo ainda mais na graça da torcida. "Como a torcida me apoiou tantos anos aqui, não tenho como não entrar no clima. É algo saudável e é sempre bom acender a rivalidade. Não via a hora de ganhar um novo jogo deles e ainda mais eu que tenho uma ligação forte com a torcida, tava na hora de dar uma provocada neles, até porque agora a gente não sabe quando que vai jogar contra eles de novo, tomara que demore anos para acontecer outra vez", brincou.
Pós homenagem, Alexandre diz ter percebido um carinho ainda maior da torcida. "Foram muitos que vieram falar comigo e e dizer que estava na hora de receber uma homenagem mesmo, isso me deixou mais feliz ainda".

Momentos que marcaram Alexandre
São tantos jogos, tantos acessos e gols, mas para Alexandre o que mais marcou até aqui, foi su chegada no clube, em meados de 2005. "O clube ainda bem modesto, voltando ao futebol profissional, fui bem recebido de cara e já vi que ali seria meu  lugar. Claro que já tive tantos outros momentos, como meus melhores jogos quando fazia mais de um gol. Os quatro acessos que participei, nos anos de 2008, 2011, 2014 e 2017 que jamais vou esquecer. Ou os tantos momentos que eu estava no campo, em jogos importantes e quando olhava para a torcida, vários chorando, nervosos, crianças sorrindo, pessoas pulando no alambrado e comemorando com a gente, são por esses momentos que eu digo que sou muito grato ao fuebol".

Expectativa para o Gauchão 2018
"Logo na saída do evento aquele dia, estava olhando a nossa tabela para o campeonato com o presidente Jair e ele me dizia que não seria fácil. Mas nada na Série A é fácil, é um campeonato onde se deve buscar pontos todo jogo. Você entra em campo sabendo que o outro time lá no vestiário falou 'hoje são três pontos contra o Avenida'. É difícil? É. Ainda mais com esse histórico de cair, mas sei que dessa vez voltamos para ficar. A diretoria ter conseguido manter esses dez ou onze jogadores do acesso foi muito bom, porque isso aconteceu em 2009, que foi o ano que o Avenida se manteve. Isso deu certo uma vez e pode dar de novo. O jogador já conhece, já cria carinho pela torcida e corre pelo clube, pelo amor a camisa. Assim como o Daitx que está indo pra terceira temporada e já está identificado também".

Agradecimento 
"Vou agradecer sempre o carinho que recebi aqui. Estou sempre presente nas redes sociais, ao longo dos anos as mensagens que a torcida me manda sempre me motivou e motiva mais. Nesses anos todos foram poucos jogos que eu escutei algo negativo por aqui, e não tem como né, eu tô indo para a 13ª temporada e não tem como em algum jogo não ir bem, é natural. 
A torcida sempre me apoiou, agradeço muito e mais uma vez devo dizer que estaremos juntos outra vez. Que estejam presentes no estádio nos apoiando, teremos grandes jogos e espero ver o estádio lotado como nos outros anos. Nós precisamos de vocês também!", finalizou.

Compartilhe